segunda-feira, 28 de abril de 2014

FILME: ENCONTROS E DESENCONTROS - 2003



Direção: Sofia Coppola - 2003 
Duração: 104 min 
Título Original: Lost in Translation 
Roteiro: Sofia Coppola
País: Estados Unidos 

Ganhou o Oscar de melhor roteiro original.

Bob Harris (Bill Murray), um ator que já fez muito sucesso chega à Tóquio para filmar um comercial de uísque. Ao ser levado para o Hotel num táxi ele fica olhando Tóquio com todas as suas luzes, out doors, e cartazes em uma língua que ele não compreende. Passou-me uma sensação de claustrofobia neste momento, de ser esmagado por tantas luzes, propagandas que impossibilitam de ver realmente os prédios, a rua, as pessoas. Bob fica impressionado com tudo isto, e procura tentar se adaptar, mas tem dificuldades até com o fuso horário e não consegue dormir.



No bar do Hotel ele conhece Charlotte (Scarlett Johansson) que como ele se sente só, pois seu marido está sempre muito ocupado. Juntos eles irão passear por Tóquio e falar de suas questões.

O filme mostra claramente, mas sem críticas, as diferenças culturais e as situações que isto pode acarretar. Bob enfrenta um momento de desencanto com a vida, está ali para fazer um comercial ao invés de estar atuando como ator, em troca de uma soma considerável. Sua relação com a esposa é fria e distanciada, ela não se preocupa com ele, apenas com a reforma da casa, e o mais triste é quando ela percebe que ele está triste e se limita a perguntar se deveria se preocupar com ele. Como responder a isto? Ele diz - só se você quiser, e claro que ela não quer.

Charlote é formada em filosofia e não gosta do superficial que tanto atrai seu marido, há diferenças entre eles e ela se sente atraída pela experiência que Bob transmite, ele topa seus programas, vai com ela aos lugares que ela deseja ir. Aos poucos cria-se uma tensão sexual entre os dois, mas o que realmente conta é o elo entre os dois por estarem juntos ali vivendo.



Mas chega o dia em que Bob deve partir e eles se despedem rapidamente, porém no caminho para o aeroporto ele a vê caminhar entre a multidão e pede ao taxista que pare o carro, vai até ela e lhe sussurra algo ao ouvido.

A vida é feita de encontros e desencontros, não há um final feliz no filme, mas um final que pode ser real, verdadeiro. Ninguém fica sabendo o que ele lhe diz, isto pertence aos dois.

Tóquio é high Tech demais, um excesso, em contrapartida com seus templos e o silêncio. Como se os personagens do filme também se refletissem nisto, os que estão a mil, envolvidos em seus trabalhos, em sucesso, ganhar dinheiro, e os que estão sentindo um vazio, uma falta de dimensão em suas vidas. Mas a visão de Bob ao chegar e ao partir são diferentes, algo mudou, e ela não se torna mais um rosto na multidão a partir do momento que ele a identifica ali e vai até ela para lhe dizer algo que só aos dois interessa.


Sofia Coppola nasceu em 1971 em New York, EUA. É filha do cineasta Francis Ford Coppola e prima do ator Nicolas Cage.