quarta-feira, 30 de abril de 2014

FILME: FLORES RARAS - 2013


Direção: Bruno Barreto - 2013 
Duração: 118 min 
País: Brasil 

Baseado no livro Flores raras e Banalíssimas de Carmem Lúcia de Oliveira e em fatos verídicos sobre a relação de Lota e Bishop entre o período de 1950 e 1960. 

Em 1951 Elizabeth Bishop (Miranda Otto) está diante de uma crise, sente-se cansada, solitária e não consegue escrever seus poemas, decide então viajar e passar uns dias no Rio de Janeiro onde tem uma amiga da faculdade Mary (Tracy Middendorf) que vive com a arquiteta e paisagista Lota de Macedo Soares (Glória Pires).



Elizabeth chega ao Rio e defronta-se com uma cultura muito diferente da sua, ela estranha e se comporta como se estivesse num país atrasado, chegando a temer beber a água da fonte, perguntando se era mineral. Apesar dela viver mais de 20 anos no Brasil ela nunca irá se acostumar totalmente. Lota em princípio não simpatiza muito com ela, principalmente diante destes comportamentos, mas acabará se apaixonando por ela e fazendo um acordo com Mary que permanece vivendo na casa chamada Samambaia em Petrópolis e adota uma menina, da qual Lota se considera a avó.



O filme nos relata então o relacionamento de Elizabeth e Lota principalmente entre os anos 50 e 60, que apesar de conturbado foi algo forte, e que contribuiu para a produção artística das duas. Bishop escreverá poemas e irá ganhar o prêmio Pulitzer pelo seu livro North & South e Lota será a responsável pelo projeto e construção do aterro do Flamengo.



Apesar do filme não mostrar toda sua permanência no Brasil, inclusive o tempo em que residiu em Ouro Preto em MG, consegue relatar de uma maneira bela a relação das duas, que irá terminar com o suicídio de Lota em Nova York muitos anos depois.

Glória Pires está brilhante como Lota, uma mulher determinada, que está acostumada a fazer o que quer e ter o que deseja. Bishop é seu oposto, tímida, alcoólatra, sente ciúmes e insegurança pela relação de Lota com Mary, mas será Lota quem irá sucumbir, envolvida em questões políticas e com a partida de Bishop ela entrará em depressão, e quando finalmente melhora e vai visitar Elizabeth ela se suicida no apartamento desta após tomar uma dose alta de remédios, entrando em coma e falecendo alguns dias depois.

A delicadeza com que o filme retrata o amor das duas já vale o mesmo, pois até pouco tempo atrás não se veria um filme brasileiro sobre a homossexualidade feminina tratado como um sentimento, um laço forte, como qualquer outra relação de amor.

Ambas tiveram infâncias sem muito amor, Lota tem dificuldades com o pai e Bishop com a mãe que foi internada em um hospital psiquiátrico onde passou o resto de sua vida e nunca mais viu a filha. Elizabeth tinha dificuldades em se dar à alguém.

Li o livro "Uma arte - as cartas de Elizabeth Bishop" da Companhia das Letras onde ela relata todo este período.



(Maria Carlota) Lota de Macedo Soares nasceu em 1910 em Paris e faleceu em 1967 em Nova York. Foi paisagista, urbanista e arquiteta autodidata. Durante o governo no Rio de Janeiro de seu amigo Carlos Lacerda projeta o Aterro do Flamengo, retirando-se da obra após a perda do governo por seu amigo. Apoiou o governo militar temendo que o Brasil se tornasse comunista. 


Elizabeth Bishop nasceu em 1911 em Worcester, Massachusetts e faleceu em 1979 em Boston. Considerada uma das maiores poetisas da língua inglesa do século XX. Robert Lowell foi um dos seus melhores amigos até o fim de sua vida. 


Bruno Barreto nasceu em 1955 no Rio de Janeiro. 

Trilha sonora de Marcelo Zarvos 

Kalu - para lembrar 

Marcelo Zarvos nasceu em 1969 em São Paulo, SP. É um compositor brasileiro radicado nos Estados Unidos