domingo, 30 de novembro de 2014

FILME: CRIAÇÃO - 2009


Direção: Jon Amiel - 2009
Duração: 108 min
Título original: Creation

Cinebiografia sobre Charles Darwin - baseado na biografia de Darwin escrita por Randal Keynes - A caixa de Annie -  que era tataraneto de Darwin. 

O filme é parte biográfico e parte ficcional. Trata-se do período após seu retorno à Inglaterra quando se vê as voltas da escrita do seu livro "A origem das espécies". Nesta fase Darwin enfrenta crises de ansiedade e tem transtornos alimentares, além de carregar uma imensa culpa pela morte de sua filha Annie, a mais velha, e a que era mais próxima do pai, inclusive em ideias. 

Darwin (Paul Bettany) é casado com Ema (Jennifer Connelly) e vive numa casa rural na Inglaterra. O filme inicia quando ele já está sofrendo de transtornos alimentares e não consegue escrever seu livro, ao mesmo tempo que nos remete ao passado quando sua filha Annie ainda vivia. Darwin sempre vê o fantasma da filha com quem conversa. 

Ema é muito religiosa e um dos grandes conflitos de Darwin é justamente ter desmontado a criação conforme nos conta a Bíblia. Em sua viagem e pesquisas ele percebe que tudo evolui e sobrevive o mais forte, além de que caracteres que se tornam inúteis tendem a desaparecer na espécie. Ele vai perdendo a fé e deixa de acreditar em Deus, mas sabe bem a repercussão que seu livro pode ter, não apenas um escândalo, mas ele será um divisor, provocará uma ruptura, e que fazer quando as pessoas perceberam que estão sós no mundo sem um Deus que lhes dê um sentido e as proteja? 

Mas em minha opinião o que mais acomete Darwin é a morte de sua filha que ele acredita que sua esposa o culpa. Quando ele sofre um colapso após saber que outro cientista está chegando às mesmas conclusões que ele,  finalmente parte em busca de ajuda em uma cura pela água, no mesmo lugar onde sua filha foi levada por ele e onde faleceu. Darwin terá que enfrentar seus fantasmas. Ele nunca aceitou a morte dela, e o médico fazendo às vezes de um precursor de psicanalista o irá interrogar e confrontar com suas questões e lhe dirá que sem fé, e isto não depende de Deus, mas que sem fé a água nunca poderá curá-lo. Será nesta viagem que Darwin irá aceitar a morte de sua filha e ao retornar para casa ele finalmente falará sobre isto com Ema e se surpreenderá ao ouvi-la dizer que ela se culpou e não à ele. Finalmente o que os separava é removido, assim como em relação aos seus filhos que ansiavam pelo amor do pai como Annie tivera antes. 

Ele então escreverá o livro e dará a Ema para ler e lhe dirá que ela pode fazer o que achar o certo. No dia seguinte ele pensa que ela está queimando o livro, mas ao contrário, ela o havia preparado para ser levado pelo correio até a editora. Ela se tornou sua cúmplice neste livro que naquela época foi devastador, tanto que se diz até hoje que houve três grandes rupturas na forma de ver o mundo, quando Copérnico disse que a terra girava ao torno do sol e não era o centro de tudo, quando Darwin disse que descendemos dos macacos e quando Freud disse que não somos senhores em nossa própria casa, pois o inconsciente rege. 

Jon Amiel nasceu em 1948 em Londres - Inglaterra - Reino Unido