segunda-feira, 10 de novembro de 2014

FILME: IRREVERSÍVEL - 2002


Direção: Gaspar Noé - 2002
Duração: 94 min
Título original: Irréversible

Um filme forte e que causa um grande desconforto. A violência inicial do filme com a câmera se deslocando a todo instante, a cena do estupro que é crua como nunca vi filmada.

Os deslocamento da câmera no início do filme  nos colocam no contexto, a angústia, a raiva, o ódio, a vingança, a busca pelo criminoso, Pierre (Albert Dupontel) e Marcus (Vincent Cassel)  estão perdidos, agindo no impulso, ou melhor, pela pulsão. O mundo deles mudou. Estão desesperados atrás do homem que estuprou a namorada de Marcus, ex-namora de Pierre, Alex (Monica Bellucci).

Mas o mais interessante do filme é como ele nos conta a história retornando cena após cena ao antes, mas não como normalmente se faz com um crime no início e depois a história volta lá no começo para então seguir em frente até chegar ao crime, aqui não, ela retrocede passo a passo como foi vivido, por trechos, sempre indo mais longe no antes. Não há como mudar, se repete, volta, e que angústia pensar que poderiam ter feito diferente, mas não é mais possível.

A cena do estupro é violenta, insuportável, dura em torno de 5 minutos, no real, é muito difícil de assistir.

Os personagens estão no aprés-coup, perde-se a linearidade do tempo, e isto o deslocamento da câmera nos mostra, tudo gira, em 360º, o filme retrocede sobre seus passos, nos mostra duas cenas de violência no real, e o antes que se perdeu, como diz um personagem no começo do filme e a frase se repete no final: "o tempo arruína tudo".

Não há volta, é irreversível. O trauma se instalou, não se nega, não é recalque, é ato. Há traumas que não podem ser falados, eles se repetem, eles são atos. Na análise é o que podemos chamar de uma transferência inversa onde o paciente faz o analista sentir em si mesmo o que não consegue falar, faz ele repetir o crime.
Não é possível narrar, contar a história neste filme, é através do recuo, do retrocesso no filme, das imagens, do movimento que se vê o trauma, não no linear da palavra.

O trauma não se esquece com o tempo, não é deixada para trás, o que ficou para trás é o antes que já não existe, que o tempo destruiu. A cena do estupro é terrível e ali está no tempo linear pela sua duração, mas é depois que ela se torna terrível, quando se descobre que Alex estava grávida. O choque é forte. Sentimos o mesmo ódio deles, temos vontade de matar, de destruir, e é isto que a pulsão de morte faz, destruir, se volta em torno de si mesma e destrói tudo. É um tempo próprio que a tudo destrói.

Interessante quando antes de tudo ocorrer Alex sonhar com um tunel vermelho após ela ter tido relações sexuais com seu namorado. No sonho o tunel se parte em dois. É nesta cisão, nesta ruptura entre os dois pedaços do tunel que o filme gira sem parar destruindo tudo, é naquele tempo, e não no pedaço de antes ou no pedaço do depois do tunel. Já não é possível retroceder, o "Isso" que está na cisão do tunel não há como fugir dele, não dá mais para mudar, é irreversível.

Gaspar Noé nasceu em 1963 em Buenos Aires, Argentina