segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

FILME: DE OLHOS BEM FECHADOS - 1999


Direção: Stanley Kubrick - 1999
Duração: 159 min
Título original: Eyes Wide Shut

Baseado no livro "Romance do sonho" de Arthur Schnitzler

Alice (Nicole Kidman) e Bill (Tom Cruise) são casados e tem uma filha de 7 anos. Vivem uma vida tranquila e se amam, até o dia em que Alice instigada talvez por ter sido cortejada numa festa por um homem e ter visto seu marido com duas belas mulheres inicia uma conversa provocadora com ele sobre o que ele sente em relação à mulheres, se sente desejo sexual por elas, inclusive em seu consultório, uma vez que ele é médico, o que ele nega alegando que por ter uma mulher que ama e com quem é casado isto não lhe passa pela cabeça, e quando ela o provoca mais sobre ela, ele lhe diz que confia nela. Algo neste momento faz com que Alice lhe confidencie que um ano atrás se sentiu muito atraída por um homem com quem trocou apenas um olhar e que se este homem a quisesse ela teria abandonado tudo, ele, sua filha e ficado com ele, nem que fosse para apenas uma noite de sexo. 

Bill leva um choque, algo dentro dele se desloca, mas no mesmo momento ele é chamado porque um de seus pacientes acaba de falecer. Ele sai para a rua e começa a imaginar a cena de Alice com este oficial da marinha transando, e isto não lhe sai mais da mente. Após sair do apartamento do falecido ele vaga pelas ruas desnorteado, e começa uma jornada desconexa para ele, totalmente diferente do que ele já viveu ou conheceu levando-o a contato com um mundo sexual que ele desconhecia, como prostitutas, uma mansão onde se realizam orgias, um pai que explora a filha sexualmente. 

Alice tem um sonho onde está nua no meio de muitos homens e o oficial da marinha faz sexo com ela e depois ela faz com muitos homens. 

O que aflora em Alice é o desejo recalcado, aquele inconsciente, das fantasias, que apesar de trazer um desejo não é algo que se faça, até porque somos coibidos pela educação, pela moral, pelo amor, pela sociedade, mas isto não impede que imaginemos algo, que fantasiemos. O porque dela contar ao marido pode ter várias respostas. Já Bill sofre um choque psíquico e com isto desnorteia, passa a agir de forma desconexa e busca algo para compreender tudo isto, só que no caso dele no real. 

Somente quando ele conta para Alice tudo que fez e ela ou ouve e eles conversam é que podem retomar sua vida de antes. Interessante ver neste filme os três conceitos de Lacan - O real, o imaginário e o simbólico. Os três estão sempre implicados um com o outro, mas é o simbólico que consegue dar conta de estabelecer uma realidade viável, é através da palavra que o real e o imaginário se tornam compreensíveis. 

Os sonhos podem ser tão fortes, assim como o imaginário, a ponto de não conseguirmos lidar com eles acordados. Os sonhos sempre trazem o que temos de mais oculto, recalcado, mas que mesmo assim somos nós, e talvez o mais verdadeiro de nós. Os sonhos são reais, não é algo para não se levar em conta como se fosse algo apenas sem sentido. E nossa imaginação produz efeitos. O que não conseguimos lidar é o Real, que é possível acessar justamente pelos sonhos e simbolizar. 

Stanley Kubrick nasceu em 1928 em Manhattan, New York, EUA e faleceu em 1999 em St Albans, Reino Unido.