quarta-feira, 4 de março de 2015

FILME: WHIPLASH - Em busca da perfeição - 2014


Direção: Damien Chazelle - 2014
Duração: 107 min
Título original: Whiplash

Estamos numa fase de filmes sadomasoquistas, mas este Whiplash é bem superior à Cinquenta tons de cinza ao tratar igualmente de fantasias deste tipo. 

A relação entre Andrew Neiman (Miles Teller) e seu professor de música Terrence Fletcher (J.K. Simmons) é sadomasoquista. 

Andrew foi abandonado pela mãe e tem como maior desejo, o ideal de eu, ser o melhor baterista de sua geração. Por um lado ele busca compreender porque foi abandonado, porque não foi amado o suficiente, se há algo errado com ele, se fez algo errado para ser abandonado. Por outro ele quer este amor do qual foi privado, o que provavelmente transfere para seu professor que é um verdadeiro carrasco. Este ideal de eu normalmente vem do outro, da cultura, haja visto o jantar no filme onde eles discutem o que é ser o melhor, o que é ser lembrado para sempre (e não esquecido e relegado como ele foi pela mãe). Para atingir isto vale tudo, qualquer sacrifício. Andrew abre mão de tudo em sua vida, inclusive da namorada onde ele prevê o que será a vida deles sem ao menos tentar vivê-la, pois irá se dedicar totalmente ao seu ideal. 

Fletcher é impiedoso em nome da arte. Ele acredita que somente aqueles que são pressionados ao limite é que conseguem e para isto humilha seus alunos, os desacredita, esperando que reajam e lhe mostrem que são os melhores, que podem aguentar tudo e vencer. Mas e ele? porque nunca foi o melhor? então ele projeta no outro o que deseja para si, mas ao mesmo tempo parece que torce para o outro nunca o consiga. Ele mente aos alunos sobre a morte de um dos alunos dizendo que foi um acidente de carro sendo que o aluno se suicidou. 

Ele massacra Andrew e ao final este é excluído da escola. Neste momento será procurado por agentes sociais que querem mostrar a culpa de Fletcher no suicídio do outro ex-aluno. Ele vai colaborar na condição de que seu nome não seja revelado, mas o professor sabe que foi ele e armará sua vingança para destruí-lo definitivamente. É neste momento, quando ele está derrotado, e seu pai o acolhe com um abraço convidando-o para ir para casa, passivo e anti-conflitos, provavelmente como foi em tudo em sua vida, que Andrew irá reagir e enfrentar Fletcher. 

A relação se impõe sobre a questão do ideal, do melhor. Andrew quer ser o melhor e Fletcher explora isto. Ambos estão sob a servidão de ser o melhor, só que um é o senhor e o outro é o escravo, um é o masoquista e o outro é o sádico. Mas sempre há o momento da virada, e então a vítima se transforma no carrasco. Inconscientemente vemos uma questão de potência sexual colocada na música, na arte, uma sexualidade excessiva e não apenas uma pulsão, um transbordamento. O abusado quando não consegue sair disto, ultrapassar se transforma no agressor. É a relação do mais frágil com o mais forte, mas em algum momento isto se inverte.

No filme, no final após Andrew vencer o carrasco e passar a dominar vemos Fletcher recuar e retornar, agora fazendo exatamente o que Andrew quer. Não é bom se iludir que ele venceu, ambos continuam na mesma relação, só que invertem seus lugares. 

A pergunta que fica é: precisa disto tudo para ser o melhor? para ser brilhante? para se sobressair e ser lembrado para sempre? Aqui temos uma questão que também é cultural e social. Como o mundo nos cobra estes ideais que cada um tem, e como chegar lá. Num mundo capitalista e extremamente competitivo onde vale tudo, exceto perder. Onde perder é fracasso e você é humilhado e esquecido. Vale a pena pensar se é realmente isto que faz alguém feliz e realizado. E se realmente é este o caminho para chegar ao ideal de eu, para ser o melhor. 

O ideal de eu é algo que fantasiamos e que na maioria das vezes não iremos alcançar, ou se o fizermos, ele requer um caminho, aos poucos, dentro do que é possível. Tem que ser um desejo da pessoa e não algo imposto por outro ou Outro, e requer sim persistência, dedicação e esforço, mas não o sofrimento e muito menos uma relação de opressor-oprimido ou vítima-carrasco, isto é doentio, apesar de dar um prazer, um gozo aos que estão envolvidos o preço disto é alto demais. No filme Andrew perde a namorada que encontra outro mais comum, não tem amigos, seu corpo padece do esforço exigido. 

A perfeição é uma ilusão, logo que se pensa ter atingido sempre virá outro melhor, e a que atingiu sempre achará que ainda não chegou lá. E o ideal de eu deve ser um motor propulsor, algo que move a pessoa, em constante movimento para tentar alcançar o que fantasiou para si mesma, mas não um fim em si mesmo. 

Damien Chazelle nasceu em Providence, Rhode Island, EUA