domingo, 29 de março de 2015

FILME: 21 GRAMAS - 2003


Direção: Alejandro González Inárritu - 2003
Duração: 124 min
Título Original: 21 Grams

O filme é fragmentado de uma forma que passado, presente e futuro se interpõem com uma aparência de intemporal nos deixando um pouco perdidos no começo do filme com vários personagens e pequenos trechos sobre cada um. Vemos Paul (Sean Penn) com Mary sua mulher (Charlotte Gainsbourg) vivendo uma questão de doença terminal dele e o desejo dela de ter um filho, vemos Jack (Benicio Del Toro) tentando converter um jovem que está no caminho da marginalidade com frases sobre Jesus, e vemos a felicidade de Cristina (Naomi Watts) com seu casamento e suas duas filhas pequenas. 

Estes três protagonistas - Paul, Jack e Cristina só se aproximarão em função de uma acidente e de três mortes. A partir daí cada um deles se verá diante do amor, da vingança, da dor, e da possibilidade de redenção. O título significa 21 gramas é o peso que uma pessoa perde no momento da morte, e é o peso carregado pelos que sobrevivem. 

Tudo converge para o acidente, justamente a  única coisa que não aparece no filme, que não temos acesso é o real do filme, como se não fosse possível falar dele, como se ele fosse recalcado no filme, mas não nas pessoas que se viram envolvidas por ele e que a partir disto tem suas vidas alteradas e determinadas por este fato. 

O interessante do filme é que ele nos mostra primeiro o desfecho o que nos leva a tentar compreender o que levou à isto. Os fragmentos do filme também não tem sentido quando aparecem dispersos adquirindo somente uma lógica quando juntamos os pedaços, o que me remete ao significante que é uma rede e que sozinho não quer dizer nada, somente após se juntar a outro significante é que começa a linguagem, a lógica do que quer dizer. Aos poucos vamos construindo junto com o filme a história, com os pedaços que surgem, com o desenrolar, juntando então o que vimos como o desfecho com algo que aconteceu muito antes e mesmo já tendo sido mostrado ainda não conseguíamos unir. 

Gostei muito do filme, ele possibilita uma bela visualização de como nos constituímos com os fragmentos de nossa história, da história de nossos familiares, com o que nos aconteceu e que esquecemos, e como alguns fatos que pertencem a outro vem se somar a nossa história. 

Alejandro González Inárritu