quarta-feira, 23 de julho de 2014

FILME: A GRANDE BELEZA - 2013


Direção: Paolo Sorrentino - 2013
Duração: 142 min
Título Original: La grande bellezza
País: Itália

Indicado no Festival de Cannes 2013 como longa-metragem. Venceu o Globo de Ouro. 

Roma. Jep Gambardella (Toni Servillo) escreveu um único livro "O aparelho humano" e leva uma vida de luxo, em festas, indo sempre dormir quando os outros acordam, mas pouco a pouco ele começa a refletir sobre tudo isto.

Ele está com 65 anos e nunca mais conseguiu escrever outro livro, diz que procurava a grande beleza, mas não a encontrou. Começa a perceber a inutilidade de sua vida, e de todos que estão ao seu redor, pessoas que não fazem nada a não ser se divertir e falar dos outros.



Jep mora em belíssimo apartamento de frente para o Coliseu e passeia pelos locais de Roma e sua arquitetura belíssima, a arte, a música, mas nada disto lhe diz algo que o leve a escrever novamente. Até o dia que ele se recorda de seu primeiro amor.

O filme foca o confronto com a velhice, quando os amigos começam a morrer, a ir embora, e Jep percebe que não tem ninguém, que todos aqueles que o adulam nas festas não são seus amigos.

Quando ele conhece uma irmã com 104 anos que só come raízes, e que com sua presença calma deixa que vários pássaros que estão indo para o oeste permaneçam por um momento de descanso na varanda de Jep, ele começa a ter uma nova percepção do que é belo. A freira lhe diz que só come raízes porque as raízes são o que há de mais importante.



Um retrato trágico da sociedade de Roma com todas suas futilidades e fugas, e como dirá Jep, por baixo deste blá blá blá todo não há nada, está tudo desestruturado. Jep terá que abrir mão de todo este glamour e fama que ilusoriamente lhe pareceu preencher a vida e dar um sentido. Tudo ia bem quando era jovem, mas e agora? A vida ainda não acabou, mas o que fazer dela?



Ele terá então que compreender a nostalgia que sente ele não teve, Elisa não se casou com ele e agora está morta, mas mesmo assim, é na busca destas raízes que ele poderá recomeçar, poderá subir os degraus de uma vida até chegar a morte, como a irmã, mas dando um sentido, construindo um sentido para cada degrau, e eles não são fáceis de subir, é preciso esforço, é preciso desistir da ilusão da grande beleza, da perfeição,  para encontrar a beleza das pequenas coisas do dia a dia.


Paolo Sorrentino nasceu em 1970 em Nápoles, Itália.