quinta-feira, 24 de julho de 2014

FILME: LÉOLO - PORQUE EU SONHO - 1992


Direção: Jean-Claude Lauzón - 1992 
Duração: 107 min 
Título Original: Léolo 

Leo Lauzon ou Léolo (Maxime Collin)  como ele gostava de ser chamado vive em um cortiço em Montreal em meio a sua família um tanto excêntrica, para se dizer o mínimo . Suas duas irmãs vivem mais em hospitais psiquiátricos do que em casa, seu pai tem fixação anal controlando toda a família através de seu cocô. A mãe (Ginette Reno) é uma mulher obesa e carinhosa apesar de às vezes ter atos surpreendentes como queimar vivas com água fervendo a coleção de mariposas do menino, e o irmão Fernand vive seu trauma de infância.O avô é quem é responsabilizado por tudo isto por ser portador de uma loucura hereditária.  É o próprio Leo adulto (Gilbert Sicotte) quem narra o filme lendo o que escreveu.

Para escapar de toda esta miséria Leo começa imaginando que sua mãe engravidou não de seu pai, mas sim de um tomate italiano, e por isto decide que se chama Léolo Lozone, no que não é levado a sério por ninguém.

O pai toda semana dava laxantes a todos na família e controlava o resultado esperando na porta do banheiro e depois indo conferir. Dizia que o cocô era sinal de saúde. Leo é o único que tenta escapar disto, enganando o pai escondendo o laxante e depois colocando no lugar as fezes de animais.

Seu irmão Fernand (Yves Montmarquette) levou uma surra no início de sua adolescência de um marmanjo do bairro que queria dominar a área de entrega de papéis e o medo se torna sua razão de ser. Passará o tempo se preparando, ficando forte, levantando pesos e fazendo exercícios de forma obsessiva. Porém, quando maior e já bem forte se vê novamente diante do mesmo agressor não consegue se defender e apanha e chora como uma criança, não superando o trauma, onde nada faria diferença diante do medo.

Leo cresce amando sua mãe, negando o pai, que era o tomate, odiando seu avô que tentou afogá-lo numa piscina de crianças, e gostando muito de seus irmãos. Ele se refugiava lendo o único livro que havia na casa " L'avalée des avalés" de Réjean Ducharme e escrevia sem parar. Ele criou um mundo para ele, imaginário, onde havia Bianca uma descendente de italianos que nunca esteve na Itália e vivia no cortiço cantando enquanto pendurava as roupas para secar. Ele a via cantando para ele, e ela se torna seu único amor.

Ele irá passar por toda descoberta da sexualidade de forma precária, sem informações, diz que tinha um rabo mas que não sabia como se chamava e que ninguém o dizia, desconfiava que ninguém tinha nome para isto. Como todo garoto ele irá espiar e será Bianca até descobrir que seu avô tem algo com ela e isto o levará a tentar matá-lo. Ele se masturba usando carnes que sua mãe comprava e depois terá sua primeira experiência com uma prostituta.

Ele sempre lia a frase do livro : Porque eu sonho, eu não sou. E um dia dirá: porque tive medo de amar, não sonho mais. Tem um surto e irá para o Hospital sendo tratado com remédios e banhos gelados.

O filme não trabalha apenas com este lado da insanidade e problemas mentais, mas ele também reflete muito da pobreza local. A todo instante vemos ratos, casas feias e podres, o cobertor furado, os meninos pegam papel para vender, Leo vasculha o fundo do rio imundo onde há até cachorros mortos, para conseguir algo para vender e conseguir comprar uma bicicleta. Quando ele sonha ele se afasta desta dura realidade, o que vemos são belos campos verdes e floridos, imagens da Itália, um lugar bonito. Ele usa sua imaginação para lidar com este real, para de alguma forma construir algo mais belo. Ele não é quando sonha, ele está em outro mundo, e no dia que ele deixa de sonhar ele cai em sua realidade que não é a Itália, nem sua Bianca, mas esta família e a pobreza. Como seria possível sonhar neste mundo em que ele vivia?

Na escola ninguém está preocupado em formar futuros, mas apenas em sobreviver ali, como diz o professor, minha especialidade não é o francês, é o judô. Ele dá aulas para futuros operários, que nunca passarão disto.

Como viver uma infância num contexto destes? mesmo os adultos? Cada um lida com isto como pode. A irmã diz que lhe roubaram seu bebê, mas o que será que ela teve de realmente roubado dela? a outra se veste de rainha num mundo de insetos, como se quisesse se diferenciar de tudo aquilo, o irmão com seu trauma, o pai e sua obsessão, e Leo vive em outro mundo o que lhe permite sobreviver a tudo isto.


Jean-Claude Lauzon nasceu em 1953 em Quebec, Canadá e faleceu em 1997 em um acidente de avião. Léolo foi seu último filme.