domingo, 11 de janeiro de 2015

FILME: CAMELOS TAMBÉM CHORAM - 2003


Direção: Byambasuren Davaa e Luigi Falorni - 2003
Duração: 87 min
Título original: Die Geschichte vom weinenden Kamel

País: Mongólia

Belíssimo! No deserto de Gobi, Sul da Mongólia, Primavera de 2002, uma família de nômades de sheperds que vivem em tendas e criam camelos e ovelhas. É o momento dos camelos terem seus filhotes, mas uma delas, a última a parir, rejeita sua cria, após um parto muito complicado onde a família tem que ajudar, puxando o filhote para fora. É um belo potro branco, muito raro.



A família fara de tudo para que ela aceite seu filhote, mas nada a convence e ela se afasta a cada vez que ele se aproxima. Quando a seguram para que ele mame, ela bate as pernas, gira. É comovente ver o olhar do pequeno, abandonado, sem o afeto de sua mãe. A filha erá alimentá-lo, mas chegará um ponto onde ele não aceitará mais. Neste momento o avô diz que é preciso fazer um ritual, mas para isto precisam de um músico. Os garotos vão até uma cidade buscar o músico. Após o ritual a mãe chora, e finalmente aceita seu filhote. 


Esta comunidade que vive de forma tão diferente do que nós conhecemos, ainda integrada à natureza, com rituais, lendas e mitos que o avô conta para seus netos. Quando os garotos viajam o menor entra em contato pela primeira vez com uma cidade maior e com isto com a TV e os jogos eletrônicos, o que o deixa encantado, mas será que dentro desta cultura, se for preservada, há a possibilidade disto desvirtuar o que de tão belo os une e move? O filme não nos responde isto. O que ele mostra é a beleza da vida possível entre os seres humanos e a natureza que os envolve, sejam as tempestades de areia ou o parto do pequeno camelo, que só é aceito quando sua mãe se emociona com a música, o que nos leva a pensar que os animais também são seres vivos e que tem sentimentos, eles choram.



O filme além de trazer uma bela história, nos mostra um pouco da cultura deste povo, da Mongólia, onde a maioria são nômades. As tendas deles tem portas de madeira, e dentro são muito aconchegantes. Durante o filme vemos vários outros rituais. A religião deles é o budismo tibetano. 


Byambasuren Daava nasceu em 1971 em Ulan Bator, Mongólia. 

Luigi Falorni nasceu em 1971 em Florença, Itália.