quinta-feira, 12 de maio de 2016

DOCUMENTÁRIO: O GUIA PERVERTIDO DA IDEOLOGIA - 2012


Direção: Shopie Fiennes - 2012
Duração: 134 min
Titulo Original: The pervert's guide of ideology
País de Origem: Irlanda


Neste documentário o filósofo Slavoj Zizek aborda através de vários filmes usando ao mesmo tempo roupas e cenários que se referem aos filmes, as muitas faces da ideologia. Zizek analisa os filmes pelo viés da filosofia e da psicanálise. Também se utiliza de músicas e de comerciais ou de produtos bem conhecidos. 

O primeiro filme que ele aborda é "Eles Vivem" de 1988 do diretor John Carpenter sobre os óculos que o protagonista encontra e ao usá-los ele vê o que os outros não conseguem ver. Zizek então nos fala que a ideologia é nossa relação espontânea com o mundo social, é como percebemos seu significado. Gostamos da ideologia e sair dela machuca. Eis o porque da recusa das pessoas de usarem o óculos, pois têm consciência de que ao colocá-los irá ver a verdade que pode ser dolorosa e não querem passar pela violência extrema da libertação, a liberdade dói. 

Com o filme "A Noviça Rebelde" de 1963 do diretor Robert Wise ele nos fala de uma parte da música que em seu país foi censurado e fazendo uso da psicanálise fala do gozo, de distinguir o gozo dos prazeres corriqueiros. A lógica da igreja católica, não do cristianismo, é que protegido pelo grande Outro - goze! Se você fingir, renunciar poderá ter tudo. O gozo é um estranho dever perverso, o excesso está sempre conosco. 

Para falar do sublime ao excremento, Zizek toma uma coca-cola, de gelada à quente. A dialética elementar da mercadoria é o excedente ilusório. Já o Kinder Ovo é usado para demonstrar o objeto do desejo, o brinquedo que está dentro do ovo que preenche o espaço vazio do ovo. A surpresa é o excedente. 

Com o "Hino à alegria" de Beethoven - Nona Sinfonia ele mostra como esta música é usada por opostos, nazismo, comunismo, maoismo, é o hino não oficial da União Europeia. Cena perversa de fraternidade universal.

A ideologia funciona como invólucro vazio. 

O filme "Laranja Mecânica" de 1971 do diretor Stanley Kubrick nos diz sobre o discurso liberal quando justifica a delinquência pela pobreza, miséria, exclusão. O homem não é apenas um produto de circunstâncias objetivas, tem uma margem de decisão. 

Com o filme "Taxi Driver" de 1976 do diretor Martin Scorsese e "Rastros de ódio" de 1956 de John Ford sobre a vítima que de um modo perverso goza ou participa de sua vitimização. Não quer ser redimida, resiste. 

O filme "Tubarão" de 1975 do diretor Steven Spielberg, Zizek demonstra como este filme unifica todos os medos. Fala do racismo, que o outro tem um gozo , perverso, ele tenta roubar de nós o nosso gozo. Perturba o nosso estilo de vida. 

Além destes filmes também serão citados Titanic para o sagrado e o obsceno, A Queda de Berlim, Mash, Nascido para matar, Batman o Cavaleiro das trevas, A última tentação de Cristo, O segundo rosto entre outros.

Zizek falará ainda sobre o capitalismo ter uma estrutura religiosa, a inércia do Real, dos ritos obscenos que regulam as escolas na Inglaterra. Sobre o grande Outro - o stalinismo. Sobre a histeria e por sermos responsáveis por nossos sonhos que encenam nossos desejos. 

Trata-se de um  documentário denso, para assistir mais de uma vez, mas vale a pena!

Shopie Fiennes nasceu em 1967 em Ipswich, Reino Unido.