domingo, 7 de dezembro de 2014

FILME: A CAÇA - 2012




Direção: Thomas Vinterberg - 2012
Duração: 115 min
Título Original: Jagten

Um filme que nos coloca numa posição de termos que imaginar a situação sem estarmos cientes de que Lucas não fez nada, que nos provoca a capacidade de termos empatia.Nunca devemos julgar baseados em nossos preconceitos, mas antes, dar ao outro a possibilidade de falar e se defender. 

Quem não assistiu seria melhor não ler, uma vez que vou falar do filme na íntegra. 

Lucas (Mads Mikkelsen) está passando por um momento difícil com sua ex-esposa que não lhe dá muito acesso ao filho Marcus, mas por outro lado está reconstruindo sua vida. Conseguiu um lugar de professor em uma creche e se interessou por uma mulher com quem começa um relacionamento. Tem seus amigos do grupo de caçadores. Vive numa pequena cidade pacata próximo a natureza.

Ele é o único homem na creche e as crianças gostam dele, costumam se esconder para lhe pregar sustos quando ele está chegando e ele adere à brincadeira. Como professor lhe cabe também levar as crianças ao banheiro, limpá-las e por isto muitas vezes ele fica sozinho com elas, como as professoras mulheres. 

Tudo está se encaminhando, ele está conseguindo o que deseja, que seu filho Marcus venha passar uns tempos com ele, até o dia que Klara, a filha de seu melhor amigo Theo (Thomas Bo Larsen) aparece, ela está sozinha, meio perdida. Lucas então a acompanha até em casa. Ela tem uma mania, andar pelas listras que vê na calçada. Klara é uma linda menininha, mas que não recebe muita atenção de seus pais, aparece sempre sozinha, e ela tem um irmão adolescente que lhe mostra num tablet um homem com o pênis ereto. Ela fica meio sem compreender direito isto, mas de alguma maneira isto a marca. 

Ela se afeiçoa à Lucas e gosta muito da cachorra dele, Fanny, e faz um coração para lhe dar de presente e no meio de uma brincadeira na creche ela se lança sobre ele e lhe dá um beijinho nos lábios. Lucas lhe diz que estes beijinhos são só para papai e mamãe e quando ele recebe o presente o devolve à Klara dizendo que ela poderia dá-lo à outra pessoa. Lucas agiu corretamente, mas Klara se ressentiu, se sentiu novamente rejeitada, e em sua tristeza no final do dia quando a diretora da creche Grethe (Susse Wold) a vê no escuro ela acaba lhe dizendo que não ama Lucas, que ele tem um pipi. A diretora ri e lhe diz, sim como seu pai e irmão e todos os homens, mas Klara responde, mas o dele é duro... como um pau. O que seu irmão havia dito no dia que lhe mostrou a cena no tablet. 

A partir disto a diretora ficará inquieta, o que é absolutamente correto. Ela fala para Lucas que uma das crianças o acusou de abuso, mas não diz quem, não o que foi, não lhe dando nenhuma oportunidade de compreender, se explicar e se defender. Ela o manda para casa enquanto procedem as investigações. Grethe então chama em auxílio um homem, que me parece ser um psicólogo, e aí ocorre o erro, porque ao falar com Klara e não obter respostas, as que ele queria ouvir, ele coloca palavras na boca da criança fazendo perguntas que induziram a criança a responder. Isto ao meu ver não é o melhor procedimento. 

Os adultos acreditam que a criança não mente, e aí temos uma ilusão pois crianças mentem sim. Ver a criança como a inocência pura, ignorando a sexualidade que ela possui, e que ela não é cruel é o desejo do adulto que se esquece, que recalca sua própria infância. Klara ao se sentir rejeitada usou de algo que ela sabia de alguma forma que era errado, mas ao mesmo tempo sem saber exatamente o que era. É como a criança que ouve um palavrão e o repete e é repreendida pelos pais que o falaram, dizendo que ela não pode falar. Por outro lado, quando uma criança diz algo assim é óbvio que o adulto vai ficar extremamente preocupado e terá que fazer algo. Em quem acreditar? o que faríamos no lugar de Grethe? da mãe de Klara? do pai de Klara? 

Quando Klara diz que Lucas não fez nada ninguém a escuta, acreditam que ela recalcou, que esqueceu e que se trata de uma reação da criança ao ocorrido, o que realmente pode acontecer. 

A partir do veredicto do psicólogo Grethe chama os pais de Klara, conta para sua mãe o que aconteceu e depois alerta a todos os pais para ficarem atentos aos sintomas do abuso sexual em seus filhos. A paranoia se instala e apesar do filme não mostrar podemos imaginar os pais pressionando os filhos por respostas, o que as leva a dizer coisas que eles acreditam ser sintomas do abuso. Não sabemos se elas repetem o que os pais pensam, o que seus amiguinhos dizem ou o que, mas apesar da evidência da mentira quando a polícia vai à casa de Lucas e descobre que não há nenhum porão que todas as crianças descreveram como o local do abuso, ninguém muda seu discernimento sobre tudo. 

A vida de Lucas é destruída, ele é agredido por todos, seu filho também, matam seu cachorro, a namorada fica em dúvida e ele a manda embora. Até a véspera do natal quando Lucas vai à missa na igreja e na frente de todos diz ao pai de Klara para olhar em seus olhos e ver o que está ali. 

Após um ano, meio que sem explicações de como ocorreu a reaceitação de Lucas na sociedade local, todos aparecem felizes para o dia que Marcus fará a passagem da fase de garoto para homem, ou seja, o dia que ele recebe sua licença para caçar e ganha do pai uma espingarda. No dia seguinte eles vão caçar e Lucas escapa por pouco de um tiro que foi para ele, ou ele supõe que foi para ele, uma vez que ao olhar novamente não há ninguém. Ele é a caça, e não o caçador, o que demonstra que nada ficará bem como se supõe quando todos se abraçam e estão felizes. Há certas coisas pelas quais passamos na vida que não se apagam tão facilmente. 

Por outro lado uma comunidade que valoriza a morte, matar animais, caçar, e considera isto o ritual de passagem para a fase adulta para o homem, tem que ser uma sociedade agressiva, portanto as agressões que Lucas sofreu no decorrer do filme dos moradores não são algo estranho  para eles.

Olhando mais ainda para o filme percebemos que a pedofilia e o incesto movem o inconsciente das pessoas, e isto provoca uma reação exagerada, violenta, uma vez que é uma reação à uma tentação que todos carregam de seu édipo. A pequena Klara reage a rejeição de sua demanda de amor com ódio, o que a leva à vingança. Muitos dirão que crianças não fazem isto, mas fazem, não são tão inocentes como a sociedade gostaria de crer. A comunidade se vira contra ele, vemos uma histeria coletiva onde ninguém em momento algum pergunta à Lucas sua versão dos fatos. Nem adiantaria, não iriam acreditar nele. 

Thomas Vinterberg nasceu em 1969 em Copenhagen, Dinamarca