sábado, 27 de dezembro de 2014

FILME: O AMOR NOS TEMPOS DO CÓLERA - 2007



Direção: Mike Newell - 2007
Duração: 138 min
Título Original: Love in the time of cholera 

Baseado no livro homônimo de Gabriel García Márquez 

Estou lendo o livro, mas quando encontrei o filme acabei assistindo antes de finalizar a leitura.

O filme inicia já na velhice quando o Dr. Juvenal Urbino (Benjamin Bratt) morre e Florentino Arizo que esperou por este dia por mais de 50 anos procura a viúva Fermina Daza (Giovanna Mezzogiorno) para lhe dizer que por todo este tempo esperou por este dia. A partir daí o filme retrocede no tempo para contar a história dos três. 

Florentino conheceu Fermina quando era muito jovem e se apaixonou perdidamente por ela que se encantou com ele, e passaram a trocar cartas até o dia que o pai dela descobre tudo e ao perceber que não iria conseguir separá-los envia a filha para o interior da Colômbia. Alguns anos se passam e ela retorna à Cartagena, mas quando Florentino a procura ela lhe diz que foi tudo uma ilusão. Pouco depois ela adoece e chamam o Dr. Juvenal Urbino que passa a cortejá-la e acabam se casando. Florentino não aceita isto, não aceita que foi tudo uma ilusão, e por mais que sua mãe Tránsito (Fernanda Montenegro) tente ajudá-lo, ele irá nutrir este amor pelo resto de sua vida e será incapaz de amar outra mulher.




Mais de 50 anos se passarão, Florentino continuará amando Fermina, mas manterá relações rápidas com outras mulheres, fazendo um caderno numerando-as, chegando a 622 mulheres em determinado momento do filme. Por seu lado Fermina vivera um casamento com tudo que ele possui, e que muitas vezes é feito muito mais de problemas, atritos do que de momentos de felicidade e encanto, como dirá o Dr. Urbino a sua esposa, que a estabilidade de um casamento é muito mais importante do que o amor e a felicidade, ao que responde Fermina perguntando: o amor é mais difícil?

O amor é como o cólera, se apodera da pessoa e pode destruir, é uma doença, mas também é possível a cura. Logo após Fermina dizer a Florentino que descobriu naquele instante que tudo não passou de ilusão, ele passará muito mal, suará, sentirá dores. Sua mãe acredita que ele está com cólera.



Tránsito foi abandonada pelo pai de Florentino cujo irmão a ajuda com dinheiro. Ela se apega ao filho, um excesso de preocupação e zelo, e isto interfere na maneira como ele vive o amor. Viverá ao lado da mãe até sua morte. Fermina representa o além de sua mãe, ela despertou algo nele de que não conseguirá se desapegar tornando este amor obsessivo. Florentino fica paralisado neste sentimento, idealiza a amada, e viverá para estar perto deste objeto de amor e acredita que um dia ficarão juntos, ele anseia por isto. Ela é algo inalcançável, proibida agora que é casada, mas diferente do amor burguês, ele espera que o marido morra e teme que ela morra antes dele.

Fermina diante da situação de impossibilidade colocada por seu pai reage de outra forma. Ela vai reprimir seu amor, se convencer de que foi uma ilusão. Só após a morte do marido ela vai se sentir livre, poderá refletir sobre tudo isto e fazer escolhas por si mesma.

Florentino não consegue fazer o luto da separação, ele se torna melancólico, já Fermina consegue, e com isto abre a possibilidade de sua vida ao lado de Urbino.

Será então na velhice que este amor poderá ser vivido na realidade, deixar de ser um fantasma que esteve presente na vida de ambos. Fermina diz que Florentino parece uma sombra. As cenas do reencontro, ou novo encontro, pois ambos haviam mudado, vivido anos sem se falarem, são belas, a delicadeza, a sensibilidade de Florentino com ela, o cuidado que ele tem. O reconhecimento que está velha em Fermina, que coloca sua feminilidade em um momento frágil é superado pelo amor dele.



Um filme belíssimo sobre o amor.

Mike Newell nasceu em 1942 em St Albans, Reino Unido.