segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

FILME: UMA LONGA VIAGEM - 2013


Direção: Jonathan Teplitzky - 2013
Duração: 116 min
Tíítulo Original: The Railway Man

Adaptação da autobiografia de mesmo nome de Eric Lomax.

Um excelente filme. Conta a história real de Eric Lomax (Jeremy Irvine/Colin Firth) que durante a Segunda Guerra Mundial foi capturado pelos japoneses em Cingapura e obrigado a fazer trabalhos forçados na construção da ferrovia da Birmânia. 

Eric sobrevive e volta para a Inglaterra, porém o que se enfoca aqui é como ele está e seus amigos anos depois do fim da guerra, onde os traumas ainda atuam e o silêncio os perpetua. 

O grupo de soldados ao qual Eric pertencia eram engenheiros e por isto foram escolhidos para a construção da Ferrovia, mas foram poupados dos piores trabalhos, porque eles eram necessários devido seu conhecimento. Só que eles desejam fugir, e também constroem um rádio receptor para ouvir as notícias. Quando os japoneses apreendem o rádio começa o inferno deles. Eric se entregará como o responsável e será o que mais sofrerá nas mãos dos japoneses sendo torturado pelo Kempeitai - a polícia militar do Exército Imperial Japonês.


Anos depois Eric conhece Patti (Nicole Kidman) e se apaixona, eles se casam, porém ela logo descobrirá que há algo terrível com ele, que sofre de pesadelos, se ausenta, se torna agressivo. Patti procura Finlay ( Stellan Skarsgard) conhecido como tio, do grupo dos ex-combatentes que se reúne todas as semanas. Ele lhe conta sobre a história de Eric, porém ninguém sabe o que aconteceu quando ele foi levado por Nagase (Tanroh Ishida/Hiroyuki Sanada) para um quarto e também lhe fala que o torturador de Eric está vivo e lhe mostra um jornal. 

A história de Eric é importante no sentido de mostrar e falar dos traumas pós-guerra, onde não há heróis, não há triunfo, mas marcas que não se apagam e destroem vidas. Como diz Finlay - Não podemos amar, Não podemos dormir. Quando Patti lhe fala que Eric precisa falar sobre o que ocorreu no quarto ele responde: há coisas que são tão vergonhosas, humilhantes que não tenho certeza se alguma vez poderemos falar sobre elas, especialmente para que alguém que se ama. 

Ao saber que seu torturador está vivo Eric diz que não irá atrás, agora é um homem casado, mas Finlay lhe mostra que ele está punindo sua esposa com a maneira de tratá-la. Eric diz que durante anos ficou imaginando que tinha encontrado ele, fazendo ele implorar, gritar, me alimentei adormecendo sob esses sons. Após o suicídio de Finlay ele se decide a ir atrás de Nagase que agora trabalha como guia de turismo no museu sobre a estrada de ferro e a guerra. 

O encontro dos dois a sós coloca em palavras o que ambos sentiram e passaram. Eric entrará no quarto onde foi torturado e se recordará de tudo, irá interrogar seu agressor da mesma forma como foi feito com ele. Mas a questão aqui é que a guerra é algo que desvia as pessoas de sua conduta normal, é algo fora do contexto e que leva cada um a acreditar em algo, em seu país, e a ver o outro como um inimigo. Nagase também poderá falar para Eric tudo que sentiu e porque está ali trabalhando no museu, ele se culpa, sente remorsos e tenta com isto uma reconciliação.



É interessante pensar que as guerras acabam, e os países se reconciliam, mas são os que estiveram na guerra, os que sofreram suas consequências, os que acreditaram num causa que carregam os traumas psíquicos disto e irão transmiti-los aos seus descendentes. Geralmente há uma negação no pós-guerra, ninguém quer falar dela, querem esquecer, e isto produz um recalcamento que irá explodir a frente com o retorno de tudo, transformando isto num círculo sem fim. O que aconteceu com Eric e Nagase é um exemplo de força e coragem, onde dois homens enfrentam suas culpas e seus traumas, sua dor, sua vergonha e humilhação, e se redimem um diante do outro, justamente a vítima e o agressor, ali se transformam em homens, em seres humanos dignos. 

Eric diz que nunca falou sobre o que aconteceu, porque ninguém acreditaria. Nagase responde que eles também não. Mas ali, os dois podiam falar e ambos conheciam a verdade. Eric perdoou seu torturador, Nagase se redimiu, e ambos se tornaram amigos até a morte. Isto foi possível porque o que muitos não conseguem ver é que o agressor em determinadas circunstâncias é um ser humano que em outra situação jamais faria o que fez. Esta é a tragédia da guerra. Obviamente há os criminosos de guerra, os que tomaram as decisões, e há aqueles como os nazistas que acreditavam que fizeram o certo e em momento algum se arrependeram ou tinham remorsos. Mas quando há a possibilidade do confronto entre o agressor e a vítima  e o primeiro sabe que errou, carrega uma culpa, um remorso, reconhece o que fez, e se arrepende, aqui temos uma oportunidade de colocar em palavras todo o ódio, a dor, a vingança e a culpa, e isto muda tudo. 

Eric carregou as palavras dos japoneses que lhes disseram que não eram homens, eram covardes, pois eles teriam se matado para preservar sua honra ao invés de se entregarem. Aqui há uma questão cultural também, mas claro que estes soldados britânicos foram marcados por estas palavras, porém, Nagase também não se matou quando os americanos os capturaram, e reconhece que Eric suportou o que ele nunca suportaria, que ele jamais se rendeu. 

Jonathan Teplitzky nasceu em Sidney, Austrália. 

Eric Lomax e Nagase

Eric Lomax
Nagase
Patti Lomax