segunda-feira, 25 de maio de 2015

FILME: O GOSTO DOS OUTROS - 2000



Direção: Agnès Jaoui - 2000 
Duração: 111min
Título Original: Le goût des autres
País: França 


O gosto do outro, o desejo do outro, a opinião do outro, a crença do outro, a visão do outro, cada um tem a sua, cada um tem seu quadro de referências e sua cultura, formação, e história. E não se mexe nisto sem fazer histórias. 

Temos vários personagens no filme. Castella (Jean-Pierre Bacri) é um empresário que tem pouca cultura.Um bom sujeito, simples, mas que ao assistir uma apresentação de teatro onde sua sobrinha atuava, ele se apaixona pelo texto de "Bérenice" e também pela atriz, que por sinal é Clara (Anne Alvaro) a professora de inglês que ele havia dispensado e que agora chama de volta apenas para poder entrar em contato com ela. Ele irá tentar se integrar ao grupo de Clara, um grupo artístico, mas sem sucesso.

A esposa de Castella é Angélique (Christiane Millet), uma pessoa que ama os animais, mas que é incapaz de respeitar o gosto do outro impondo o seu e criticando o alheio. A irmã de Castella, Béatrice (Brigitte Catillon) está montando um apartamento e Clara não aceita nada do que esta deseja para sua própria casa, e quando Castella compra um quadro de um pintor do grupo de Clara, que ele realmente gostou e o coloca na sala, ela vai tirá-lo de lá. 

Castella tem guarda-costas e motorista. Bruno (Alain Chabat) atende mais Angélique, e tem uma namorada nos Estados Unidos. Ele reencontra Manie (Agnès Jaoui) que trabalha no café ao lado do teatro. Franck (Gérard Lavin) tem suas questões em relação ao antigo emprego, e acaba se envolvendo também com Manie que é independente e faz sempre o que deseja. 

Todos os personagens em algum momento experimentam o gosto do outro, o desejo do outro, seja se submetendo, seja o fazendo ser suportado pelo outro, seja o impondo. Em um momento se diz - o mais difícil é depender do desejo dos outros. Sim, em alguns momentos ficamos à mercê do outro. 

No filme a questão do gosto é apenas um pretexto para os conflitos maiores, mais profundos como a incapacidade de aceitar o outro e seus pontos de vista singulares. Se no começo todos ainda tentam manter as relações de forma artificial, ou seja, mantendo a aparência e a hipocrisia social, aos poucos tudo isto se desmonta. 

Castella assumirá que não entende nada de arte, mas gosta daquela pintura, apenas por gostar, e dirá a sua mulher que ela nunca lhe permitiu um gosto seu. Esta por sua vez procura Béatrice para desabafar e se vê diante do apartamento redecorado ao gosto dela, afinal quem vai morar ali não é Angélique. Clara terá que rever seus conceitos e maneira de olhar os outros e ser mais aberta e humilde. Manie mantém seu espaço e escolhas. O final é magistral com Bruno tocando com um grupo e adivinhem qual é a música? - Non, je ne regrette rien! de Piaf. (Não, eu não me arrependo de nada). 

Assista ao final do filme com Bruno tocando


Agnès Jaoui