segunda-feira, 18 de maio de 2015

FILME: TERRAFERMA -2012


Direção: Emanuele Crialese - 2012
Duração: 89 min
País: Itália - França 


Filme atualíssimo sobre a questão da entrada de refugiados na Europa, em especial na Itália, assunto que vem sendo notícia quase que diariamente nos noticiários, divulgando o drama destes refugiados que chegam da África fugindo das guerras civis e da fome,  sendo que muitos morrem no mar e da posição cada vez mais restritiva da Europa em recebê-los ou socorrê-los. 

O filme se passa numa ilha que sobrevive da pesca, mas principalmente do turismo, uma vez que a atividade pesqueira está em declínio. Mas a comunidade dos pescadores tem suas leis próprias, e principalmente a de nunca abandonar ninguém no mar. Com as novas leis restritivas eles entram em choque, uma vez que se sentem entre duas situações, ou obedecem ao que acreditam e sempre fizeram ou cumprem a lei, pois do contrário sofrem as punições. 


Filippo (Filippo Pucillo) acompanha seu avô Ernesto (Mimmo Cuticchio) que insiste em manter a tradição pescando no mar, sendo que a maioria ou vendeu seus barcos ou os utilizam para passeios turísticos como Nino (Giuseppe Fiorello), filho de Ernesto e tio de Filippo, cujo pai morreu no mar e de quem era o barco que eles usam para pescar. Um dia eles avistam uma pequena embarcação lotada de pessoas, refugiados. O avô avisa a polícia costeira, porém recolhe a bordo vários que estavam no mar, entre eles uma mulher etíope grávida , Sara (Timnit T.) e seu filho. Como isto é ilegal eles a levam para a casa de Filippo e sua mãe Giulietta (Donatella Finocchiaro) é quem faz o parto da menina que nasce.




As consequências deste ato virão, uma vez que a polícia descobre que alguns deles foram recolhidos pelo pesqueiro e no dia em que eles estão saindo para levar alguns turistas para passear são abordados pela polícia que confisca o barco. 

Há um conflito moral, principalmente para Filippo entre seguir o que fazem os ancestrais e os mais velhos da ilha ou respeitar a lei. Ele vê os efeitos de desrespeitar a lei que recaem sobre seu avô, o medo de sua mãe de serem descobertos. Sara relata para Giulietta que o bebê é fruto de estupro que ocorria na frente do menino. Que levaram dois anos para chegar à ilha. Em um dado momento Filippo está no mar com uma garota, e ao ver os refugiados se aproximarem de seu barco ele tenta ir embora, precisa bater com os remos nas mãos deles para poder ir embora. É uma cena triste, difícil, pois de um lado temos seres humanos que irão morrer afogados e de outro a lei que manda não socorrer. 

Já Nino se preocupa com o turismo, é seu ganha pão, e diz a todos que ali não há refugiados, o que os turistas não desejam ver uma vez que foram para a ilha para descansar e ver belas paisagens, se divertir. Mas tudo muda no dia em que vários náufragos chegam à praia mais mortos do que vivos.  Os moradores estão divididos entre manter tudo em ordem por causa do turismo e a comunidade dos pescadores que tem um código de ética e de humanidade que os leva a socorrer estas pessoas que estão no mar. 

Apesar do filme não se aprofundar muito ele nos dá uma pequena ideia do drama dos refugiados que chegam à Europa pelo mar. Também nos deixa uma lição de ética e moral, afinal, o que fazer? socorrer seres humanos famintos, sedentos, em desespero ou não? ou seguir a lei que determina que não é para recolhê-los? A polícia o faz e os leva de volta de onde vieram. 

Há outra questão que não aparece no filme, mas se nos aprofundarmos um pouco mais na história veremos a responsabilidade da Europa nas guerras civis da África, sejam por causa da colonização, ou das divisões territoriais que elaboraram, ou seja pela manutenção de grupos militares ou até mesmo ditadores em função de interesses econômicos. A fome que existe em vários destes países, a falta de perspectiva, a violência, à qual o ocidente fecha os olhos. É cada um por si. 

O diretor Crialese decidiu fazer este filme após ler a história de uma africana que foi um dos cinco sobreviventes de um barco lotado que passou 21 dias à deriva no mar sem ajuda antes de chegar a Lampedusa, na Itália. "Fiquei hipnotizado pelo rosto dela, por sua expressão. Ela tinha acabado de passar pelo inferno, três semanas em alto mar, com pessoas que os viam, se aproximavam e jogavam água e então os abandonava novamente. E ela parecia ter chegado ao paraíso." disse Crialese. 

É Sara quem representa esta mulher no filme. O filme é uma denúncia à repressão da imigração ilegal. O que vale mais? o Estado, sua fronteira e leis ou a vida humana? O planeta Terra pertence a todos, mas as fronteiras e as leis foram criadas pelo homem. A situação é delicada com certeza e envolve muito mais do que o humanitarismo, mas com certeza não é deixando morrer as pessoas que isto se resolve.

Emanuele Crialese nasceu em 1965 em Roma, Itália.